Taxa Selic sofre mais um aumento e atinge 6,25% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou o aumento da taxa Selic em 1%, saltando de 5,25% para 6,25% pontos, o maior nível desde julho de 2019. É a quinta vez que a taxa sofre aumento no ano de 2021.

O Copom afirmou em nota que não pressente outro aumento nesse tamanho. A próxima reunião para definir a nova Taxa Selic acontecerá no final de outubro.

O comitê também divulgou a ata da reunião, a qual informou que o aumento poderia ser maior que 1 ponto, mas chegou à decisão de que o aumento era adequado para assegurar a convergência da inflação para a meta estipulada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) em 2022, que é de 3,50%.

De acordo com pesquisa realizada pelo Banco Central, que contou com a participação de mais de cem instituições financeiras, analistas do mercado projetam que a taxa de juros seguirá aumentando, podendo chegar até a 8,25% no final do ano.

Em agosto, a taxa também apresentou aumento de 1%, quando saltou de 4,25 para 5,25 pontos percentuais. Na época, a justificativa do aumento foi para encarecer o crédito e estimular a poupança.

A Selic, ou taxa básica de juros, é utilizada por bancos públicos e privados para o cálculo de juros. Um dos objetivos da taxa é regular a inflação. O Copom opera com a Selic de acordo com as expectativas econômicas do país e de como o governo pode agir para ocorrer um equilíbrio financeiro.


Escrito por Marcos Ferreira, assistente de conteúdo da Drummond Advisors

Compartilhar

Vamos conversar ?

Notícias relacionadas

Taxa Selic sofre novo aumento, dessa vez de 4,25% para 5,25% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou o aumento da taxa Selic em 1%, tendo um salto de 4,25 para 5,25 pontos percentuais. Após o Copom, o mercado financeiro está projetando que a taxa possa chegar até 7,50% em dezembro e se estabilizar em 2022. O Banco Central utiliza a taxa básica de juros, a Selic, para alcançar a meta de inflação. Nesse caso, o aumento ocorreu para encarecer o crédito e estimular a poupança. A instabilidade inflacionária é um dos principais fatores para o aumento da taxa de juros. O próximo encontro do Copom acontecerá em setembro, onde mais uma alta da taxa está prevista. Dessa vez, espera-se que a taxa salte para 6,25% ao ano. Em junho, a taxa sofreu um aumento de 0,75%, quando saltou de 3,5 para 4,25 pontos percentuais. Lembrando que a taxa tem crescido gradualmente desde o início do ano, quando fechou em 2,75% em março, e em maio foi para 3,5% ao ano. Escrito por Marcos Ferreira, assistente de conteúdo da Drummond Advisors Compartilhar Compartilhar no facebook Compartilhar no linkedin Compartilhar no whatsapp Compartilhar no email Vamos conversar ? Notícias relacionadas

Read More »

Copom aumenta taxa básica de juros de 3,5% para 4,25% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou, na quarta-feira (16), o aumento da taxa Selic em 0,75%, tendo um salto de 3,5 para 4,25 pontos percentuais. O aumento visa conter uma pressão inflacionária, a taxa cresceu pela terceira vez consecutiva desde março. A decisão de aumentar a taxa básica de juros já era esperada pelo mercado financeiro, de acordo com pesquisa realizada pelo Banco Central (BC), que posteriormente confirmou o aumento de 0,75 ponto percentual. A Selic, ou taxa básica de juros, é utilizada por bancos públicos e privados para o cálculo de juros. Um dos objetivos da taxa é regular a inflação. O Copom opera com a Selic de acordo com as expectativas econômicas do país e de como o governo pode agir para ocorrer um equilíbrio financeiro. Fatores como o aumento dos preços das commodities (produtos de origem agropecuária ou de extração mineral, produzido em larga escala e destinado ao mercado externo), somados a alta do combustível, a crise hídrica e o valor do dólar acabaram elevando inflação nos últimos meses, contribuindo para o aumento da Selic. Segundo o Banco Central, a atividade econômica brasileira continua mostrando evolução mais positiva do que o esperado, apesar da intensidade da segunda onda da pandemia do coronavírus. O BC também informou que a próxima reunião do Copom, marcada para os dias 3 e 4 de agosto, foi sinalizada uma continuação do processo de normalização monetária com outro ajuste da mesma magnitude, ou seja, a Selic pode sofrer novo aumento. Para o próximo ano, o BC tem como previsão do mercado financeiro que a taxa Selic fique em 3,78% a.a. Compartilhar Compartilhar no facebook Compartilhar no linkedin Compartilhar no whatsapp Compartilhar no email Vamos conversar ? Notícias relacionadas

Read More »
Rolar para cima
Pesquisar